Crônica!

A derrota, por Nelson Rodrigues

Foto: Caricatura de Baptistão – http://baptistao.zip.net

Aos tricolores, uma crônica de Nelson Rodrigues. Sem mais palavras.

O altivo profeta

Amigos, cada um de nós tem um pouco de viúva siciliana. Como se sabe, há umas tantas senhoras, na velha Sicília, que nasceram com uma vocação irresistível para a viuvez. Conheci uma delas e declaro: que esplêndida figura. Sempre de preto, num luto feroz e inconsolável, era uma viúva nata e hereditária. Solteira, jamais tivera um flerte, um namorado, um noivo ou marido. Apesar disso, andava pelas calçadas, pelas esquinas, pingando a admirável viuvez.

O que eu queria dizer é que, domingo, no Maracanã, ao soar o apito final, o profeta sofreu como uma dessas viúvas solteiras da Sicília. Durante meses, ele afirmara e reafirmara, com a ênfase das certezas totais, que o Fluminense ia ser campeão. E súbito, acontece, no Maracanã apinhado, o empate hediondo. Dir-se-ia que o clássico teve dois resultados: 0 a 0 para nós e uma goleada deslumbrante para o adversário. Pois a santa alegria rubro-negra foi, sim, de goleada, de banho.

O profeta vacilou. Os fatos desmentiam o vaticínio. Fazendo das tripas coração, ele rosnou: “pior para os fatos!”. Mas uma frase não salva um clube e repito: uma frase não devolve um título. E a vontade do profeta foi a de sair do estádio, sentar-se no meio-fio e chorar lágrimas de esguicho.

Coisa curiosa! Foi no domingo que o profeta aprendeu a entender a viúva siciliana. Há um secreto deleite na viuvez inconsolável e ululante. O ser humano gosta e paga para sofrer. Todo o charme do futebol está na angustia certa de qualquer clássico e de qualquer pelada. Duzentas mil pessoas foram ao Maracanã para a mais dilacerada das torcidas.

(…) O diabo é que não veio o gol tão sonhado, tão desejado, tão temido. (…) Inteiramente inútil a nossa superioridade. À saída do estádio, queriam explicações do profeta. Ele teve que responder que o profeta não precisa argumentar, demonstrar, raciocinar. E concluiu, do alto das suas alpercatas – “O profeta é burro”.

Jornal dos Sports, 18/12/1963 (crônica publicada no livro Nelson Rodrigues, O profeta tricolor, Cem anos do Fluminense, ed. Cia das Letras, 2002)

By Fernando Arbex

//baptistao.zip.net

 

 

2 Respostas to “Crônica!”

  1. guilhermefuoco Says:

    “uma frase não devolve um título”

    Essa frase do Nelson Rodrigues diz tudo. Olha, galera do Boteco, aqui em São Paulo, o erro do Washington pareceu gol do Corinthians. Como que foi aí??

    Um abraço para vocês!!! Abração Victorr!!

    Guigo do GuIgO NewS! kkk

  2. Herbert Drummond Says:

    Caros Nando e Vitrola,

    Me daria muito prazer se vocês dessem uma chegada lá no Oficina de Gerência para ler um post que fiz, ontem pela manhã, a respeito do jogo. É uma abordagem comportamental sobre a decisão da Libertadores que iria acontecer horas depois. O título do post é “Decisão da Libertadores de hoje: não é o melhor futebol que vai ganhar o jogo.”
    Agradeço a gentileza.
    Abraço de um fã legítimo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: